Outros

“Uma brisa arrepiou as cercas bem cuidadas da rua dos Alfeneiros, silenciosas e quietas sob o negror do céu, o último lugar do mundo em que alguém esperaria que acontecessem coisas espantosas. Harry Potter virou-se dentro dos cobertores sem acordar. Sua mãozinha agarrou a carta ao lado mas ele continuou a dormir, sem saber que era especial, sem saber que era famoso, sem saber que iria acordar dentro de poucas horas com o grito da Sra. Dursley ao abrir a porta da frente para pôr as garrafas de leite do lado de fora, nem que passaria as próximas semana levando cutucadas e beliscões do primo Duda… ele não podia saber que, neste mesmo instante, havia pessoas se reunindo em segredo em todo o país que erguiam os copos e diziam com vozes abafadas:
-A Harry Potter: o menino que sobreviveu!”
PF, cap. 1, pág. 20

“Mas daquele momento em diante, Hermione Granger tornou-se amiga dos dois. Há coisas que não se pode fazer junto sem acabar gostando um do outro, e derrubar um trasgo montanhês de quase quatro metros de altura é uma dessas coisas.
PF, cap. 10, pág. 156

“Olhou para o espelho outra vez. Uma mulher parada logo atrás de sua imagem sorria e lhe acenava. Ele esticou a mão e sentiu o ar atrás dele. Se ela estivesse realmente ali, ele a tocaria, pois suas imagens estavam muito próximas, mas ele pegou apenas ar – ela e os outros só existiam no espelho.
Era muito bonita. Tinha cabelos acaju e olhos – os olhos são iguaizinhos aos meus, Harry pensou, acercando-se um pouco mais do espelho. Verde-vivo – exatamente do mesmo formato, mas então reparou que ela estava chorando, sorrindo, mas chorando ao mesmo tempo. O homem alto, magro, de cabelos negros, parado ao lado dela abraçou-a. Usava óculos e seu cabelo era muito rebelde. Espetava na parte de trás, como o de Harry.
Harry estava tão perto do espelho agora que seu nariz quase encostava em sua imagem.
-Mamãe? – murmurou. – Papai?
Eles apenas olharam para ele, sorrindo, e lentamente Harry olhou para os rostos das outras pessoas no espelho e viu outros pares de olhos verdes iguais aos seus, outros narizes como o seu, até mesmo um velhote que parecia ter os mesmos joelhos ossudos que ele – Harry estava olhando para sua família, pela primeira vez na vida.
Os Potter sorriram e acenaram para Harry e ele retribuiu os olhar, carente, as mãos comprimindo o espelho como se esperasse entrar por dentro dele e alcançá-los. Sentiu uma dor muito forte no peito, em que se misturavam a alegria e uma terrível tristeza.”
PF, cap. 12, pág. 180

“-Eu valho doze Dracos, Malfoy” gaguejou ele.”
Neville Longbottom, PF, cap. 13, pág. 192

“-Não vou deixar vocês irem – disse, correndo a se postar diante do buraco do retrato. – Eu… eu vou brigar com vocês.”
Neville Longbottom, PF, cap. 16, pág. 232

“ – Deus do Céu, é Harry Potter? Muito prazer em conhecê-lo. Rony tem falado tanto em…”Artur Weasley, CS, cap. 3, pág. 40

 “ – Fascinante! – exclamou, quando Harry lhe contou como se usava o telefone. – Engenhoso, verdade, quantas maneiras os trouxas encontraram de viver sem o auxilio da magia.” Artur Weasley CS, cap. 4, pág 42

 “ – Espero que meu filho venha a ser mais do que um ladrão ou um saqueador, Borgin.” Lúcio Malfoy, CS, cap. 4, pág. 50

 “ – Nós temos idéias muito diferentes do que é ser uma vergonha de bruxo, Malfoy
– Visivelmente  – disse o Sr. Malfoy, seus olhos claros desviando-se para o Sr. e a Sra. Granger, que observavam apreensivos. – As pessoas com quem você anda, Weasley – e pensei que sua família já tinha batido no fundo do poço… CS, cap. 4, pág. 59

 “ – De um belo sorriso, Harry – disse Lockhart por entre os dentes faiscantes – Juntos, você e eu valemos a primeira página.” Gilderoy Lockhart, CS, cap. 4, pág. 57

 “ – É  melhor abrir, Rony – sugeriu Neville com um sussurro tímido. – vai ser pior se você não abrir. Minha avó um dia me mandou um e eu não deu atenção – ele engoliu um seco -, foi horrível.” Neville Longbottom, CS, cap. 6, pág. 79

 “ – Minha mãe morreu logo depois que eu nasci. Me disseram no orfanato que ela só viveu  o tempo suficiente para me dar um nome… Tom, em homenagem ao meu pai, Servolo, em homenagem ao meu avô.” Tom Riddle, CS, cap. 13, pág. 208

 “ – Meu caro, por favor acredite em mim, não me da nenhum prazer estar no seu…hum…você chama isso de casa? – disse Lucio Malfoy, desdenhoso, correndo os olhos pela pequena cabana. – Simplesmente vim à escola e me disseram que o diretor se encontrava aqui.” Lúcio Malfoy, CS, cap. 14, pág. 222

 “ – Lamento muito, cochilei, que foi que perdi?
Ele não pareceu nota que os outros professores o olhavam com uma expressão muito próxima ao ódio. Snape se adiantou.
–  O homem de que precisávamos! Em pessoa! Uma menina foi seqüestrada pelo monstro, Lockhart. Levada para a Câmara Secreta. Chegou finalmente a sua vez.
Lockhart ficou lívido.
– Isto mesmo, Gilderoy – disse a Profª Sprout. – Você não esta dizendo ainda ontem à noite que sempre soube onde era a entrada da Câmara Secreta?
– Eu… bem, eu… – gaguejou Lockhart.
– É, você não me disse que tinha certeza do que havia dentro dela? – falou o Prof. Flitwick.
– D-disse? Não me lembro…
– Pois eu me lembro de você dizendo que lamentava não ter tido uma chance de enfrentar o monstro antes de Hagrid ser preso – continuou Snape. – Você não disse que o caso todo foi mal conduzido e que deviam ter-lhe dado carta branca desde o começo?
Lockhart contemplou os rostos duros dos colegas à sua volta.
– Eu…eu realmente nunca… vocês devem ter entendido mal.
– Vamos deixar o problema em suas mãos, então, Gilderoy – disse a Profª McGonagall.  – Hoje à noite será uma ocasião excelente para resolvê-lo. Vamos providenciar para que todos estejam fora do seu caminho. Você terá a oportunidade de cuidar do monstro sozinho. Enfim, terá a carta branca.”  CS, cap.16, pág. 248 e 249

 “ – Do diário. Do meu diário. A pequena Gina anda escrevendo nele há meses, me contou suas tristes preocupações e magoas, como os irmãos implicavam com ela, como teve que vir para a escola com vestes e livros de segunda mão,  como – os olhos de Riddle brilhavam -, como achava que o bom, o famoso, o importante Harry Potter jamais iria gostar dela…” Tom Riddle CS, cap. 17, pág. 260

 “ – Voldemort – disse Riddle com indulgencia – é o meu passado, presente e futuro, Harry Potter…” Tom Riddle, CS, cap. 17, pág. 264

 “ – Isso é o que Dumbledore manda ao seu defensor! Um pássaro canoro e um velho chapéu! Você se sente cheio de coragem, Harry Potter? Sente-se seguro agora?” Tom Riddle, CS, cap. 17, pág 266

“ – Você vai ter o mesmo fim sangrento dos seus pais um dia desses, Harry Potter – disse baixinho. – Eles também eram tolos e metidos.” Lucio Malfoy, CS, cap. 18, pág. 284

“ – Ah, meu caro menino, nós não vamos castigá-lo por uma coisinha a toa como essa!- exclamou Fudge, agitando o pãozinho com impaciência. – Foi um acidente! Nos não mandamos ninguém para Azkaban por fazer a tia virar um balão! ” Fudge, PdA, cap. 3, pág. 43

“ – […] Então finalmente conseguimos um professor de Defesa Contra as Artes das Trevas que sabe o que faz! ” Pomfrey, PdA, cap. 5, pág. 78

“ – Você é a bruxa de treze anos mais inteligente que já conheci, Hermione.” Remo Lupin, PdA, cap. 17, pág. 279

“ – Não é, não – disse Lupin, ainda observando intrigado a porta. – A Casa dos Gritos nunca foi mal assombrada… os gritos e uivos que os moradores do povoado costumavam ouvir eram meus.” Remo Lupin, PdA, cap. 18, pág. 284

“ – […] Não tenho duvida em afirmar que Tiago teria ficado muitíssimo desapontado se o filho dele jamais descobrisse as passagens secretas para fora do castelo.” Remo Lupin, PdA, cap. 22, pág. 340

One Response to “Outros”

  1. Hello there, just became aware of your blog through Google, and found that it is truly informative.
    I am going to watch out for brussels. I’ll appreciate if you continue this in future.
    Lots of people will be benefited from your writing.
    Cheers!

Leave a Reply